Rev. Josafá Vasconcelos

Não há provavelmente nenhum outro ponto da doutrina cristã que entre mais em conflito com o pensamento contemporâneo do mundo, do que esta doutrina. Providência significa que Deus não abandonou o mundo que criou, antes, trabalha dirigindo e governando todas as coisas de acordo com o “imutável conselho de Sua própria vontade” como diz nossa Confissão de Fé, capítulo V:

“Pela mui sábia providência, segundo a sua infalível presciência e o livre e imutável conselho de sua própria vontade, Deus, o grande Criador de todas as coisas, para o louvor da glória de sua sabedoria, poder, justiça, bondade e misericórdia, sustenta, dirige, dispõe e governa todas as criaturas, todas as ações delas e todas as coisas, desde a maior até à menor”.

Em contraste, o mundo, mesmo quando reconhece que Deus é o criador, não chega a admitir que Ele se intrometa nos afazeres humanos. Talvez estejam prontos a aceitar que esteja por trás das coisas boas, mas de maneira alguma das más. O mundo questiona o fato de que esta vida está cheia de acontecimentos ruins e pergunta: Como seria compatível admitir que um Deus bom estivesse ordenando estas coisas? Há desastres naturais como incêndios, terremotos e inundações, deveríamos colocar a culpa em Deus por eles? Não seria melhor imaginar que Ele simplesmente deixou o mundo seguir o seu próprio curso?

Contudo, não é isso que a Bíblia diz. O salmo 104 fala que Deus é um Deus imanente e intensamente atuante em tudo o que acontece em toda terra. É Ele que comanda todos os fenômenos naturais, que obedecem a suas leis, e quando acontecem as catástrofes, elas foram ordenadas por Ele, por motivo de juízo, pois Ele é “Justo em todos os seus caminhos e Santo em todas as tuas obras” Salmo 145:17.

Muitas vezes não entendemos e Ele, como Deus soberano, não tem obrigação de justificar as suas ações. Tudo o que Ele faz é perfeito e também “não aflige de bom grado os filhos dos homens”. O livro de Provérbios contém muitos versos tratando deste tema. Provérbios 16:1 diz: “O coração do homem pode fazer planos, mas resposta certa dos lábios vem do Senhor”, e também: “Como ribeiros de água assim é o coração do rei na mão do Senhor, e Este o inclina para onde quer”, isto é, coração do rei e de todos os homens! Quer dizer todas as ações comuns dos homens e tudo o que acontece na natureza, estão debaixo da esfera da providência de Deus.“O coração do homem traça o seu caminho, mas o Senhor lhe dirige os passos” Pv. 16:9, ou ainda: “Muitos propósitos há no coração do homem, mas o desígnio do Senhor permanecerá” Pv. 19:21, e por fim, Pv. 21:30 arremata: “Não há sabedoria, nem inteligência, nem mesmo conselho que prevaleça contra o Senhor”.

Os homens podem agir em desobediência, cometendo os seus pecados, mesmo assim Deus os ordena de forma que seus eternos propósitos se cumpram, como foi o caso da morte de Cristo: “sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de iníquos” At.2:23.

Os propósitos divinos são cumpridos, mas a responsabilidade do pecado é dos homens e não de Deus. Quanto aos crentes, Deus ordena tanto o bem como o mau para as suas vidas, mas sempre visando o bem: “Sabemos que, todas as coisas cooperam conjuntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” Rm. 8:28.

Da mesma maneira, Deus também exerce seu domínio sobre o mundo espiritual. Os anjos estão sujeitos ao Seu expresso comando e se regozijam em cumprir suas ordens. Os demônios, ainda que em rebelião contra Ele, estão sujeitos aos decretos de Deus e ao controle de Sua poderosa mão . Satanás foi incapaz de tocar no servo de Deus, Jó, até que recebesse permissão da parte de Deus e mesmo assim com certos limites estabelecidos: “…Eis que ele está em teu poder; mas poupa-lhe a vida” Jó 2:6.

Da mesma forma, de um modo especial, Deus cuida de sua Igreja. Ela não está ao léu da sorte. Os homens e mesmo satanás, podem intentar o mal contra ela, mas não podem prevalecer. Assim diz nossa Confissão: “Como a providência de Deus se estende, em geral, a todas as criaturas, assim, pois, de um modo muitíssimo especial, essa mesma providência cuida de sua igreja e tudo dispõe a bem dela” e isto por que as Escrituras afirmam  que: “…temos posto nossa esperança no Deus vivo, Salvador de todos os homens, especialmente dos fiéis” e ainda: “…as portas do inferno não prevalecerão contra ela” Mt. 16:18.