O Culto a Deus

Em nossa Igreja:

 Veja também o artigo sobre o Cântico Exclusivo dos Salmos no Culto de Deus.

1. OS MEIOS ORDINÁRIOS DE GRAÇA SÃO ALGO CENTRAL

Uma das principais tarefas dos presbíteros é manter os meios ordinários de graça como algo que é central na vida da igreja. É através da Palavra, pregada e cantada, dos sacramentos e da oração, que o povo de Deus está unido a Cristo e alimentado nele, para vida eterna. Os meios de graça sem invenções e adornos, como a Palavra, os sacramento e a oração são desprezados pelo mundo como um insensato desperdício de tempo. Estes meios são vistos pelos especialistas do movimento de crescimento de Igreja como ineficazes. No entanto, entendemos a Palavra pregada, os sacramentos e a oração como o meio pelo qual o Espírito Santo une os pecadores, por meio da fé, ao crucificado, ressuscitado e entronizado Filho de Deus.

 

2. HISTÓRIA E A TRADIÇÃO CRISTÃ SÃO VALORIZADAS

Alguém disse, certa vez, que o passado nunca foi tão mais necessário do que o futuro como hoje. Acreditamos que, de uma forma profunda, isso é verdadeiro para a Igreja Cristã. Quando a Igreja perde o contato com seu passado, facilmente se esquece o que ela é e por que existe. Isto é precisamente o que vimos se desenvolver na metade dos últimos cem anos. A igreja contemporânea tem experimentado uma perda real de identidade e uma perda de conexão com suas raízes. Essa mentalidade avessa à história resultou em níveis de superficialidade e ignorância nunca vistos pela igreja, hoje.

Uma vez que, segundo as Escrituras, a fé cristã que “uma vez foi entregue aos santos” (Jd 3) permanece a cada geração que passa, acreditamos que temos muito a ganhar com os 2000 anos de história cristã e sua tradição. A indiferença para com nossa rica herança teológica e eclesiástica demonstra a arrogância da idade moderna. Na verdade, muito há que podemos aprender com aqueles que vieram antes de nós. Sempre procuramos cultivar um maior apreço por nossas raízes protestantes e reformados. Além disso, a nossa adoração corporativa no Dia do Senhor é uma expressão do nosso apreço pela rica herança litúrgica e musical que nos tem sido transmitida através dos séculos.

 

3. A ADORAÇÃO CENTRADA EM DEUS É NOSSA MAIOR PRIORIDADE.

A adoração é considerada a mais alta prioridade da Igreja Cristã. Nossa liderança continuamente encoraja os membros a participarem da adoração de uma forma tripla, ou seja, em público, em família e de forma particular. Na verdade, acreditamos que:

“Deus deve ser adorado em todo o lugar, em espírito e verdade – tanto em famílias diariamente e em secreto, estando cada um sozinho, como também mais solenemente em assembleias públicas, que não devem ser descuidosas, nem voluntariamente desprezadas nem abandonadas, sempre que Deus, pela sua providência, proporciona ocasião” (Confissão de Fé de Westminster: XXI: 6).

Recomendamos uma vida cristã simples, isto é, onde a adoração particular ou familiar são fundamentais no lar, todos os dias, para preparar ricamente toda a família para uma zelosa e teocêntrica observância do Dia do Senhor.

 

4. O EVANGELISMO E MISSÕES SÃO ALGO IMPORTANTE

Entendemos a evangelização e missões como algo maior do que um evento a mais da igreja ou simplesmente a entrega de folhetos evangelísticos. O verdadeiro anúncio do Evangelho implica principalmente, em primeiro lugar, na leitura e pregação das Escrituras na assembleia pública e solene do povo da aliança com seu Deus, no dia do Senhor. Em segundo lugar, que o evangelho é proclamado quando os filhos de Deus respondem, obediente e ativamente — em obras e palavras — às Escrituras, tornando-se sal e luz em um mundo decadente e em trevas (Mateus 5:16).

O objetivo final de nossos esforços evangelísticos, seja em casa ou fora, não é simplesmente levar pessoas a orarem a oração do pecador. Pelo contrário, é levar pessoas a se tornarem membros comprometidos da igreja por meio do arrependimento e fé em Cristo e pela transformação da vida mediante o ordinário ministério da Palavra e dos sacramentos.

 

5. NO CORPO DE CRISTO UM AMA O OUTRO

O Senhor Jesus Cristo diz: “O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei” (João 15:12). Em nossa Igreja, como membros, buscamos uma quantidade significativa de amor recíproco e encorajamento entre nós. Louvamos ao Senhor pela unidade e amor que estamos vivendo em nossa congregação. Acreditamos firmemente que, como Cristo e Sua Palavra permanecem centrais entre nós, também permaneceremos fiéis uns para com os outros.